Conheça a pista de MTB Rio 2016

Já imaginou como deve ser a pista de uma prova olímpica de MTB?

O próximo ano é de Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro e o Mountain Bike está presente entre as modalidades disputadas. Mas e aí, você já imaginou como deve ser a pista de uma prova olímpica de MTB?

Aproveitando a disputa do evento-teste no último domingo, a organização do Rio 2016 conversou com Nick Floros, ex-atleta sul-africano responsável pela criação do percurso, que descreveu alguns dos obstáculos da pista e o porquê de ser considerada tão especial.

Obstáculos Flip Flops

As sandálias típicas do Brasil deram forma a alguns dos obstáculos da pista. A ideia é que os atletas saltem do dedão para o que seria a parte interna do pé, aproveitando a topografia que os lança para a frente. Esse tipo de obstáculo foi uma opção para conferir uma identidade própria ao percurso e que ao mesmo tempo funciona bem para os atletas.

Pista de MTB
(Foto: Rio 2016/Alex Ferro)

Monte da Bandeira

A colina natural é o ponto mais alto do percurso. Os atletas têm de subir de cerca de um quilômetro até o topo, fazendo do trecho uma das mais longas subidas de mountain bike no mundo. Por ser uma subida gradual e não muito íngreme, Floros disse que possibilita que os melhores escaladores possam ser acompanhados por atletas não tão especializados nesse tipo de percurso, abrindo a competição para uma gama maior de atletas.

pista de MTB 1
(Foto: Rio 2016/Alexandre Loureiro)

As Pedras do Rio

A área rochosa natural que apareceu durante a construção do percurso, no início da descida do Monte da Bandeira, criou uma espécie de rampa no fim do trecho. Foros conta que houve a preocupação de usar a topografia natural – refletindo o estilo da cidade-sede e do país – e permitir aos espectadores ver o máximo em termos de ação.

pista de MTB 3
(Foto: Rio 2016/Alexandre Loureiro)

A Praia dos Cocos

A trilha passa na frente de duas grandes paredes rochosas com muitos coqueiros ao redor, que deram nome à área. Haverá lugares para o público acompanhar a prova ao longo desta parte da pista.

Rio 40 Graus

A referência mais conhecida dos brasileiros diz respeito às altas temperaturas do Rio no verão mas, neste caso, é uma escadaria com inclinação de aproximadamente 40° feita de toras de madeira.

pista de MTB
(Foto: Rio 2016/Paulo Mumia)

Downtown

A descida rochosa aponta para o centro da cidade do Rio de Janeiro. O trecho foi feito por Floros usando as rochas de uma pedreira local.

Pista de MTB
(Foto: Rio 2016/Alex Ferro)

Visibilidade

Torcedores poderão ficar no ponto mais alto e acompanhar de 85% a 90% da pista. A pista de Londres tinha 60% de visibilidade, enquanto no Rio 2016 será de cerca de 85%. Ajustes para os jogos envolvem aumentar a distância entre a linha de largada e a primeira curva.

Também poderá se interessar..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *